Haitianos esperam para pegar comida em um centro de distribuição no centro de Jeremie, cidade ao sul do Haiti (Foto: HECTOR RETAMAL / AFP)

Os haitianos afetados pelo poderoso furacão Matthew vivem em condições “desumanas” em abrigos temporários, três semanas depois da passagem da tempestade, lamentou na terça-feira (25) um especialista independente da ONU para os direitos humanos.

Cerca de 3.000 vítimas do furacão, refugiadas no colégio de Nord Alexis, na cidade de Jeremie, vivem “em condições lamentáveis: sem alimentos, sem acesso a serviços de saúde, sem água potável, sem instalações higiênicas e sanitárias apropriadas”, disse o especialista Gustavo Gallon em uma coletiva de imprensa em Porto Príncipe, após visitar este abrigo.

Gallon fez as declarações ao concluir, nesta terça-feira, uma visita de nove dias ao país.

O furacão Matthew arrasou a península sul do Haiti em 4 de outubro, deixando 546 mortos e mais de 175 mil pessoas desabrigadas, segundo o último boletim oficial.

No Nord Alexis, “estas pessoas estão amontoadas em 20 salas do colégio, e têm fome. Há dois bebês que nasceram neste lugar sem assistência ao parto e há cerca de 20 grávidas”, afirmou Gallon, um jurista colombiano.

“Todas as pessoas estão afetadas psicologicamente devido ao que aconteceu. (…) Uma jovem me disse: ‘todos nos tornamos dontes mentais’. As condições nas que estão essas pessoas são desumanas e deveriam ser resolvidas imediatamente”, afirmou Gallon.

Segundo a Proteção Civil do Haiti, o furacão destruiu mais de 770 escolas, e as que ficaram intactas foram ocupadas por milhares de famílias afetadas.

Send this to friend